“Minha morte tenho como libertação da alma presa no corpo…

Pássaro em cativeiro que através dos espaços da gaiola sonha com sua liberdade.”

Mateus H.

Anúncios